Saúde

Edmilson Migowisk - edmilson@ojornalnit.com.br

Quando o inverno chega

Todo ano é assim que acontece: quem sofre de alergia sabe muito bem o quanto que o inverno agrava os seus sinais e sintomas. Tosse, olhos lacrimejando constantemente, dores de cabeça e na região que vai do nariz às bochechas e secreção nasal incessante. As crianças e os idosos são os mais afetados.

A piora das alergias é mais frequente nesta época do ano. Primeiro porque o próprio clima deixa um número maior de partículas em suspensão no ar e, também, devido à aglomeração das pessoas no frio, o que facilita a transmissão de vírus que causam resfriados e gripes, dentre outras infecções que agravam o problema.

Dados da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia) apontam que 30% da população brasileira possui algum tipo de reação alérgica, sendo a rinite e a asma predominantes nesta época do ano.

Segundo dados do International Study of Asthma and Allergies (ISAAC), a rinite alérgica atinge cerca de 26% das crianças e 30% dos adolescentes brasileiros. A doença é caracterizada por coceira, obstrução nasal, coriza e espirros, similares aos das infecções virais de vias aéreas. A queda da temperatura, ambientes mais confinados e a piora da qualidade do ar agravam as crises.

Já a asma é caracterizada por falta de ar, tosse e chiado no peito. É uma doença de origem genética que se acompanha de uma inflamação dos brônquios. Caracterizadas por acessos de tosse, sensação de aperto no peito, respiração curta e chiado no peito. De acordo com o Datasus, a asma atinge de 10% a 25% da população brasileira e é responsável, anualmente, por 400 mil internações hospitalares e 2.500 óbitos - além de um número incontável de atendimentos ambulatoriais.

Prevenção – É importante que o contato com os desencadeadores das crises seja evitado, mantendo a limpeza do ambiente e sendo retiradas as substâncias que possam facilitar a proliferação dos ácaros (como bichos de pelúcia no quarto das crianças). É recomendado também evitar ambientes fechados e com muitas pessoas e fazer o uso de medicamentos que auxiliem na prevenção das crises. Além disso, é importante que os alérgicos procurem atendimento médico, para evitar as crises.

Outra maneira importante de prevenir recomendada é não fumar ou ter fumantes no ambiente domiciliar. Colchões e travesseiros devem ser forrados com material impermeável e este forro lavado periodicamente. Alguns desinfetantes podem reduzir a proliferação de ácaros em casa, mas devem ser usados com cuidado, odores fortes podem desencadear crises.

Dr. Edimilson Migowski
Médico Infectologista e Presidente do Instituto Vital Brazil
Com colaboração de Thaís Marini

Comentários